Olá! Sou o

Matheus A. B.

Compositor | Produtor

Sobre

Áudio & Software


Me chamo Matheus Barbosa e produzo e implemento trilhas e efeitos sonoros com a ferramenta de áudio dinâmico e adaptativo FMOD.


Estudo música há mais de 15 anos e sou compositor e produtor musical com foco em áudio para jogos. Fui aluno da Game Audio Academy, escola de áudio para jogos na qual há ensino amplo em termos de áudio para jogos no meio indie, e atualmente sou aluno de pós-graduação em Trilhas Sonoras na FACEC.


Atualmente, trabalho como desenvolvedor no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e nas horas vagas, produzo música eletrônica, covers de trilhas de jogos/animes/filmes, pratico meus instrumentos (piano, harpejji, flauta transversal), desenvolvo plugins para FMOD e, é claro, jogo TF2.


Minha história

Como já disse, me chamo Matheus Alves Barbosa e sou natural de Porto Alegre/RS.


Desde pequeno, boa parte do meu tempo de lazer sempre foi composta por jogos; mas foi apenas depois de alguns anos que comecei a me interessar por seu áudio - especialmente, as trilhas musicais.
Donkey Kong, Chrono Trigger, Zelda, World of Warcraft e Skyrim são alguns dos vários jogos que despertaram meu interesse por essa área.


Ninguém é auto-suficiente. É por causa de alguém que existimos e que tudo o que fizemos foi possível.
Pensando nisso, acho importante deixar registrada minha história assim como as pessoas que a tornaram possível - especialmente à minha mulher, Letícia, por aguentar ouvir tantos "beeps e bloops" e ter dado apoio nessa carreira - afinal, foi apenas graças a Deus e a elas que até aqui pude chegar.

Instagram

[en] In today’s video I’d like to briefly demonstrate two techniques and an expression capability of the harpejji through a short analysis of this study of Skyrim’s “The Bannered Mare”

 
#1 - Counterpoint 

Have you ever heard two or more melodies simultaneously played that, in spite of having different directions or rhythms, complement each other harmonically? Well, that’s called counterpoint. And if you play the piano, you’ll notice how similarly you can reproduce it on the harpejji because of the hands’ independence.

#2 - Repeated notes

I’d also like to point out that in this instrument, it’s not easy to play the same note on the same string repeatedly — it is, however, possible to play the same note on a *different* string! 

If you already know how to identify the musical notes and their positions on the harpejji, you can notice at 0:18 what I do with my left hand: as my middle or ring fingers play A and D, the index finger and thumb take turns playing the higher A note. This is how you play repeated notes! 

#3 - Bonus: expression capability 

In the same section of the song mentioned previously, there's another point of interest: in that moment, there are three distinct melodies playing: 

- the main one (right hand)
- the middle ostinato (left hand/index & thumb)
- and the bass, *which is sustained* (left hand/other fingers)

How could this be achieved on the piano? 

Think about it.

The possible answers are:

- using the uncommon sostenuto pedal (and being really accurate);
- having an unusually large hand or
- literally having an additional hand (or using a foot)

And due to its anatomy, this is one of the unique things that can be done on the harpejji!

If you liked this video, let me know!

Also, if you have any questions about the harpejji or anything else, don’t be shy - just leave a comment!

(🇧🇷 Tradução pt-br nos comentários)

#harpejji #instrument #musictheory #skyrim #theelderscrolls #music #musiccover #unusual #cover #banneredmare
[en] In today’s video I’d like to briefly demonstrate two techniques and an expression capability of the harpejji through a short analysis of this study of Skyrim’s “The Bannered Mare” #1 - Counterpoint Have you ever heard two or more melodies simultaneously played that, in spite of having different directions or rhythms, complement each other harmonically? Well, that’s called counterpoint. And if you play the piano, you’ll notice how similarly you can reproduce it on the harpejji because of the hands’ independence. #2 - Repeated notes I’d also like to point out that in this instrument, it’s not easy to play the same note on the same string repeatedly — it is, however, possible to play the same note on a *different* string! If you already know how to identify the musical notes and their positions on the harpejji, you can notice at 0:18 what I do with my left hand: as my middle or ring fingers play A and D, the index finger and thumb take turns playing the higher A note. This is how you play repeated notes! #3 - Bonus: expression capability In the same section of the song mentioned previously, there's another point of interest: in that moment, there are three distinct melodies playing: - the main one (right hand) - the middle ostinato (left hand/index & thumb) - and the bass, *which is sustained* (left hand/other fingers) How could this be achieved on the piano? Think about it. The possible answers are: - using the uncommon sostenuto pedal (and being really accurate); - having an unusually large hand or - literally having an additional hand (or using a foot) And due to its anatomy, this is one of the unique things that can be done on the harpejji! If you liked this video, let me know! Also, if you have any questions about the harpejji or anything else, don’t be shy - just leave a comment! (🇧🇷 Tradução pt-br nos comentários) #harpejji #instrument #musictheory #skyrim #theelderscrolls #music #musiccover #unusual #cover #banneredmare
Palomita Blanca - Play with me! / Toque comigo!

🌎 It took some time, but here it is -- grab your melodic instrument of choice and play this song with me!

You know, I’ve played piano for a considerable amount of time, playing both accompaniment and solo pieces. Last year, when I started to learn how to play the transversal flute, I began to realize how different the performance dynamics were. In other words, how it was to “be on the other side”.

Though it’s essential to the development of techniques to play alone, I noticed that I could express myself better when playing on top of an accompaniment: it made it much easier to “feel the music”.
That’s why, during this process of learning, if I couldn’t find accompaniments online, I’d just record them myself so I could play on top of them. This practice made me realize that, if it was useful to me, it could also be useful to others - which brings us to this song, Palomita Blanca.

Composed by Argentinian composer Anselmo Aieta, I discovered this song during my flute lessons. Since I liked its melody, I decided to know how the overall harmonic progression (its accompaniment) was. 
Well, I can say I liked it. 
Anyway, after playing around with it, I felt really inclined to play it like tango - that is, switching its rhythm from 3/4 to 4/4. 
That’s why, considering what I said earlier, I challenged myself to write a short arrangement for it, and believe me: it was harder to write 60 seconds than 3 minutes (so much to let go!)

(the first of many, perhaps?)

At last, if you don’t know how to read sheet music, don’t worry! There are also audio files to help you available through a link in my bio. 

Enjoy!

——

🇧🇷 Acabei demorando um pouco para postar isso, mas… eis o arranjo, e convido quem quiser a pegar algum instrumento melódico, seja qual for, e tocar essa música comigo!

Por muito tempo toquei apenas piano - tanto como acompanhante quanto como solista. Ano passado... (continua nos comentários)

——

#duetwithme
#remixthisreel
#collab
#accompaniment
#backingtrack
Palomita Blanca - Play with me! / Toque comigo! 🌎 It took some time, but here it is -- grab your melodic instrument of choice and play this song with me! You know, I’ve played piano for a considerable amount of time, playing both accompaniment and solo pieces. Last year, when I started to learn how to play the transversal flute, I began to realize how different the performance dynamics were. In other words, how it was to “be on the other side”. Though it’s essential to the development of techniques to play alone, I noticed that I could express myself better when playing on top of an accompaniment: it made it much easier to “feel the music”. That’s why, during this process of learning, if I couldn’t find accompaniments online, I’d just record them myself so I could play on top of them. This practice made me realize that, if it was useful to me, it could also be useful to others - which brings us to this song, Palomita Blanca. Composed by Argentinian composer Anselmo Aieta, I discovered this song during my flute lessons. Since I liked its melody, I decided to know how the overall harmonic progression (its accompaniment) was.  Well, I can say I liked it.  Anyway, after playing around with it, I felt really inclined to play it like tango - that is, switching its rhythm from 3/4 to 4/4.  That’s why, considering what I said earlier, I challenged myself to write a short arrangement for it, and believe me: it was harder to write 60 seconds than 3 minutes (so much to let go!) (the first of many, perhaps?) At last, if you don’t know how to read sheet music, don’t worry! There are also audio files to help you available through a link in my bio.  Enjoy! —— 🇧🇷 Acabei demorando um pouco para postar isso, mas… eis o arranjo, e convido quem quiser a pegar algum instrumento melódico, seja qual for, e tocar essa música comigo! Por muito tempo toquei apenas piano - tanto como acompanhante quanto como solista. Ano passado... (continua nos comentários) —— #duetwithme #remixthisreel #collab #accompaniment #backingtrack
Banda do casamento / Wedding music band
(English translation in the comments section due to IG’s max character limit)

[1/2] Como já falei, ainda sou muito lento para fazer posts. Este foi escrito há mais de dois meses, então considerem isso caso percebam tempos verbais estranhos. Enfim, lá vai:

Fui convidado para tocar piano no casamento de dois amigos há algumas semanas e resumindo, foi muito bom!

Acho que ainda não mencionei isso aqui, mas uma prática que tenho adotado é a de fazer uma reflexão após qualquer evento incomum. Faço isso para avaliar tanto meu desempenho quanto a importância de tal atividade para mim.

Dito isso, apesar de não ser a primeira vez que toco em um casamento, publicar meus pensamentos ainda é um hábito recente; por isso, não posso deixar de compartilhar um pouco do aprendizado que tive nesse dia: 25 de junho.

Musicalmente falando, estou acostumado à exploração dos conceitos de tensão e relaxamento. Nesse evento, entretanto, houve um breve (e também longo) momento em que ironicamente pude presenciá-los de outro jeito, digamos, extramusicalmente.

Foi mais ou menos assim:

- A banda começou a tocar uma música animada que deveria durar cerca de um minuto
- Os floristas entraram
- Aguardávamos pelo sinal da assistente da cerimonialista que indicaria o início da próxima música. Naturalmente, nesse intervalo, repetiríamos a música, e foi o que fizemos
- E fizemos novamente
- Comecei a me preocupar
- Repetimos de novo
- A tensão começou a se tornar nítida. Pensei: "Cadê a noiva? Cadê o sinal? O que faço?"
- A criatividade para variação das repetições começou a se esvair.
- Olhei para os outros músicos esperando alguma solução, mas estavam de costas para mim -- com exceção da percussionista. Se minha leitura labial foi precisa, entendi "continua tocando"
- A essa altura, parei de contar as repetições e senti que a música zombava da situação
- Eventualmente, a assistente se retirou e, após alguns minutos, foi dado o esperado sinal. Cessou a música e foi tocada, enfim, a marcha nupcial.

Alívio!

[continua nos comentários]

#wedding #musicband #thought #reflexão #reflexaododia #casamento #banda
Banda do casamento / Wedding music band (English translation in the comments section due to IG’s max character limit) [1/2] Como já falei, ainda sou muito lento para fazer posts. Este foi escrito há mais de dois meses, então considerem isso caso percebam tempos verbais estranhos. Enfim, lá vai: Fui convidado para tocar piano no casamento de dois amigos há algumas semanas e resumindo, foi muito bom! Acho que ainda não mencionei isso aqui, mas uma prática que tenho adotado é a de fazer uma reflexão após qualquer evento incomum. Faço isso para avaliar tanto meu desempenho quanto a importância de tal atividade para mim. Dito isso, apesar de não ser a primeira vez que toco em um casamento, publicar meus pensamentos ainda é um hábito recente; por isso, não posso deixar de compartilhar um pouco do aprendizado que tive nesse dia: 25 de junho. Musicalmente falando, estou acostumado à exploração dos conceitos de tensão e relaxamento. Nesse evento, entretanto, houve um breve (e também longo) momento em que ironicamente pude presenciá-los de outro jeito, digamos, extramusicalmente. Foi mais ou menos assim: - A banda começou a tocar uma música animada que deveria durar cerca de um minuto - Os floristas entraram - Aguardávamos pelo sinal da assistente da cerimonialista que indicaria o início da próxima música. Naturalmente, nesse intervalo, repetiríamos a música, e foi o que fizemos - E fizemos novamente - Comecei a me preocupar - Repetimos de novo - A tensão começou a se tornar nítida. Pensei: "Cadê a noiva? Cadê o sinal? O que faço?" - A criatividade para variação das repetições começou a se esvair. - Olhei para os outros músicos esperando alguma solução, mas estavam de costas para mim -- com exceção da percussionista. Se minha leitura labial foi precisa, entendi "continua tocando" - A essa altura, parei de contar as repetições e senti que a música zombava da situação - Eventualmente, a assistente se retirou e, após alguns minutos, foi dado o esperado sinal. Cessou a música e foi tocada, enfim, a marcha nupcial. Alívio! [continua nos comentários] #wedding #musicband #thought #reflexão #reflexaododia #casamento #banda
Carinhosamente conhecido como PEVA, o Parque Estadual de Itapeva é um ponto que certamente pessoas que gostam de natureza adorariam conhecer.

Descobri o local por acaso. Após explorar parte das praias de cidade, em um dado momento pesquisei no Google “pontos turísticos Torres”. Fui parar no site do município, onde havia um mapa turístico. Dando uma olhada por cima dele, notei que um dos pontos mais distantes continha o ícone de uma árvore, o que já despertou meu interesse; logo, então, descobri do que se tratava. Entrei em contato com eles e fui atendido por quem seria nossa guia, Lara, e para minha alegria, havia um horário disponível para o dia seguinte. 

E lá fomos nós. Com uber de ida, sem uber de volta, o que mais tarde descobrimos.

Apesar de geralmente os grupos serem formados por mais de 10 pessoas ou até mesmo por dezenas de crianças de excursões escolares, sendo época de baixa temporada, fomos apenas minha mulher e eu acompanhados pela guia por mais de duas horas. 
Passamos por ruínas de construções cujas histórias nos foram contadas - algumas construídas durante alguma das guerras mundiais, outras datando do período colonial; passamos por trilhas cercadas ou cobertas por vegetação, onde pudemos comer morangos silvestres; entendemos a função de diferentes espécies de plantas quanto à regeneração do ecossistema e no fim, após sair da mata e ter uma bela vista panorâmica da praia, vimos a famosa lagartixa-das-dunas. 
Pudemos também entender um pouco mais sobre o motivo da necessidade de preservação das dunas, parte do foco de atuação do PEVA: muitas vezes deformadas por ações humanas, na verdade têm importantes funções como controlar a intensidade dos ventos e o avanço do mar, entre outras.

Trabalhos de educação ambientais como esse são importantes porque nos fazem lembrar, mesmo parecendo clichê, que sendo habitantes deste mundo, temos o dever de preservá-lo.
Em outras palavras, assim como gostamos de estar em contato com coisas naturais, é bom que as próximas gerações a elas também tenham acesso.
Caso visitem Torres, recomendo que conheçam o PEVA!

A propósito, mencionei que é grátis?

#natureza #preservação #ferias
Carinhosamente conhecido como PEVA, o Parque Estadual de Itapeva é um ponto que certamente pessoas que gostam de natureza adorariam conhecer. Descobri o local por acaso. Após explorar parte das praias de cidade, em um dado momento pesquisei no Google “pontos turísticos Torres”. Fui parar no site do município, onde havia um mapa turístico. Dando uma olhada por cima dele, notei que um dos pontos mais distantes continha o ícone de uma árvore, o que já despertou meu interesse; logo, então, descobri do que se tratava. Entrei em contato com eles e fui atendido por quem seria nossa guia, Lara, e para minha alegria, havia um horário disponível para o dia seguinte. E lá fomos nós. Com uber de ida, sem uber de volta, o que mais tarde descobrimos. Apesar de geralmente os grupos serem formados por mais de 10 pessoas ou até mesmo por dezenas de crianças de excursões escolares, sendo época de baixa temporada, fomos apenas minha mulher e eu acompanhados pela guia por mais de duas horas. Passamos por ruínas de construções cujas histórias nos foram contadas - algumas construídas durante alguma das guerras mundiais, outras datando do período colonial; passamos por trilhas cercadas ou cobertas por vegetação, onde pudemos comer morangos silvestres; entendemos a função de diferentes espécies de plantas quanto à regeneração do ecossistema e no fim, após sair da mata e ter uma bela vista panorâmica da praia, vimos a famosa lagartixa-das-dunas. Pudemos também entender um pouco mais sobre o motivo da necessidade de preservação das dunas, parte do foco de atuação do PEVA: muitas vezes deformadas por ações humanas, na verdade têm importantes funções como controlar a intensidade dos ventos e o avanço do mar, entre outras. Trabalhos de educação ambientais como esse são importantes porque nos fazem lembrar, mesmo parecendo clichê, que sendo habitantes deste mundo, temos o dever de preservá-lo. Em outras palavras, assim como gostamos de estar em contato com coisas naturais, é bom que as próximas gerações a elas também tenham acesso. Caso visitem Torres, recomendo que conheçam o PEVA! A propósito, mencionei que é grátis? #natureza #preservação #ferias
[English translation in the comments]

No fim do mês passado estive de férias em Torres, uma cidade próxima à minha. 
Com o natural crescimento de minhas responsabilidades (e logo, problemas), estresse e falta de foco tem sido presentes; e é por isso que apesar de já ter ido para lá diversas vezes, foi a primeira vez em anos que eu notei o quão bom é sair da rotina.

Passamos 4 dias inteiros lá. Parece pouco, mas nesse período pudemos passear, comer coisas diferentes e, é claro, relaxar.
Como minha mulher está grávida (surpresa!), nem sempre ela podia sair para caminhar. Por causa disso, combinamos que enquanto ela descansasse, eu sairia para caminhar e fazer algumas gravações.

Mochila carregada com câmera, tripé, acessórios e o gravador. 
Não lembro exatamente o quanto eu caminhava todo dia, mas o peso da mochila não foi um problema: enquanto ouvia algumas músicas pelos fones, me sentia incrivelmente leve e animado.

Uma vez esqueci de levar o SSD da câmera.
Outra vez, esqueci de apertar o "REC" no gravador.
De qualquer jeito, pude desenvolver através de prática em campo um pouco mais disso que considero um hobby; e com isso, pude pegar algumas imagens bem interessantes como estas, mesmo com apenas 10 minutos de bateria por dia.
Sobretudo, é claro, descansei.

Curiosidade: Torres também é o polo brasileiro da prática de balonismo. Isso me fez lembrar da minha música favorita do Ben Böhmer (@benbohmermusic), “Beyond Beliefs”, que foi usada por ele em um set na Capadócia, Turquia e, adivinhem onde: em um balão. Talvez por isso eu tenha sentido tanta vontade de ouvir essa música enquanto caminhava de um ponto a outro.

(A propósito, a quem gosta de música eletrônica, recomendo ouvi-lo: “Ben Böhmer live above Cappadocia in Turkey for Cercle”)

No meu canal do YT publiquei uma compilação de trechos das cenas que achei interessantes.
Não sei qual é o termo técnico, mas foram gravações feitas com tripé, fixas, de alguns pontos de Torres: Praia da Cal, Parque da Guarita e Morro do Farol; todas em 4K e majoritariamente 60FPS. 
Caso alguém também queira relaxar e conferir, espero que goste!

#natureza #ferias #torres #praia #nature #landscape #photography
[English translation in the comments] No fim do mês passado estive de férias em Torres, uma cidade próxima à minha.  Com o natural crescimento de minhas responsabilidades (e logo, problemas), estresse e falta de foco tem sido presentes; e é por isso que apesar de já ter ido para lá diversas vezes, foi a primeira vez em anos que eu notei o quão bom é sair da rotina. Passamos 4 dias inteiros lá. Parece pouco, mas nesse período pudemos passear, comer coisas diferentes e, é claro, relaxar. Como minha mulher está grávida (surpresa!), nem sempre ela podia sair para caminhar. Por causa disso, combinamos que enquanto ela descansasse, eu sairia para caminhar e fazer algumas gravações. Mochila carregada com câmera, tripé, acessórios e o gravador.  Não lembro exatamente o quanto eu caminhava todo dia, mas o peso da mochila não foi um problema: enquanto ouvia algumas músicas pelos fones, me sentia incrivelmente leve e animado. Uma vez esqueci de levar o SSD da câmera. Outra vez, esqueci de apertar o "REC" no gravador. De qualquer jeito, pude desenvolver através de prática em campo um pouco mais disso que considero um hobby; e com isso, pude pegar algumas imagens bem interessantes como estas, mesmo com apenas 10 minutos de bateria por dia. Sobretudo, é claro, descansei. Curiosidade: Torres também é o polo brasileiro da prática de balonismo. Isso me fez lembrar da minha música favorita do Ben Böhmer (@benbohmermusic), “Beyond Beliefs”, que foi usada por ele em um set na Capadócia, Turquia e, adivinhem onde: em um balão. Talvez por isso eu tenha sentido tanta vontade de ouvir essa música enquanto caminhava de um ponto a outro. (A propósito, a quem gosta de música eletrônica, recomendo ouvi-lo: “Ben Böhmer live above Cappadocia in Turkey for Cercle”) No meu canal do YT publiquei uma compilação de trechos das cenas que achei interessantes. Não sei qual é o termo técnico, mas foram gravações feitas com tripé, fixas, de alguns pontos de Torres: Praia da Cal, Parque da Guarita e Morro do Farol; todas em 4K e majoritariamente 60FPS.  Caso alguém também queira relaxar e conferir, espero que goste! #natureza #ferias #torres #praia #nature #landscape #photography
Skyrim - The Bannered Mare (by Jeremy Soule)

🌎 Food, quests, a place to sleep and more: for those who have not played Skyrim, that's The Bannered Mare, a tavern located in the city of Whiterun after which this song is named.

For months I've wanted to cover this song in the harpejji and since I'm on vacation, I finally did it!

I'm really happy because, regular cover recording challenges aside (analysis, transcription, studying), I managed to get a more natural sound of this instrument which is, by the way, electric - and that's why soon I'll be releasing a video detailing this process.

I hope you enjoy it! In the next few weeks I'll be publishing the complete version after I'm done editing.

----

🇧🇷 Comida, quests, um lugar para dormir e muito mais: quem já jogou Skyrim deve conhecer "The Bannered Mare", a taverna da cidade de Whiterun cujo nome foi usado para nomear uma das músicas da trilha sonora do jogo.

Há meses queria gravar um cover dela no harpejji e, estando de férias, finalmente consegui! 
Fico feliz porque, além dos desafios normais de fazer um cover (como análise, transcrição e estudo), consegui através de experimentos extrair um som mais natural do instrumento que, devo dizer, é elétrico. Por isso, logo estarei fazendo um novo vídeo detalhando a técnica utilizada.

Espero que gostem! Estou concluindo a edição do vídeo e logo publicarei a versão completa.

#skyrim #harpejji #elderscrolls #cover #music #thebanneredmare
#banneredmare #theelderscrolls #jeremysoule
Skyrim - The Bannered Mare (by Jeremy Soule) 🌎 Food, quests, a place to sleep and more: for those who have not played Skyrim, that's The Bannered Mare, a tavern located in the city of Whiterun after which this song is named. For months I've wanted to cover this song in the harpejji and since I'm on vacation, I finally did it! I'm really happy because, regular cover recording challenges aside (analysis, transcription, studying), I managed to get a more natural sound of this instrument which is, by the way, electric - and that's why soon I'll be releasing a video detailing this process. I hope you enjoy it! In the next few weeks I'll be publishing the complete version after I'm done editing. ---- 🇧🇷 Comida, quests, um lugar para dormir e muito mais: quem já jogou Skyrim deve conhecer "The Bannered Mare", a taverna da cidade de Whiterun cujo nome foi usado para nomear uma das músicas da trilha sonora do jogo. Há meses queria gravar um cover dela no harpejji e, estando de férias, finalmente consegui! Fico feliz porque, além dos desafios normais de fazer um cover (como análise, transcrição e estudo), consegui através de experimentos extrair um som mais natural do instrumento que, devo dizer, é elétrico. Por isso, logo estarei fazendo um novo vídeo detalhando a técnica utilizada. Espero que gostem! Estou concluindo a edição do vídeo e logo publicarei a versão completa. #skyrim #harpejji #elderscrolls #cover #music #thebanneredmare #banneredmare #theelderscrolls #jeremysoule
Para mim nem tudo é música - pelo menos, por enquanto.

Ao longo da minha vida, de forma geral, sempre tive uma percepção negativa quanto ao serviço público por parte das pessoas.

Lamento por isso.

Em contrapartida, alguns anos após fazer parte dele, notei uma coisa: mesmo que de forma pequena, eu agora poderia ser capaz de mudar esse fato.

-

Pra quem não sabe, meu trabalho principal é como programador no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, desenvolvendo o sistema de processo eletrônico chamado eproc; e como servidor público, acredito que tudo o que fazemos deve refletir em benefício à população.

Ponto.

Na última semana, por parte do TRF4, houve apresentações para seus próprios servidores além dos de outros órgãos colaboradores sobre novidades do sistema; e em um desses dois dias, tive a oportunidade de apresentar a mais de 60 colegas, entre desenvolvedores e gestores, a nova arquitetura que propus e implementei no sistema.

Além de falar sobre as mudanças em si, que serviram para melhorar significativamente a eficiência de nosso trabalho, aproveitei para compartilhar um pouco de minha experiência e ideais - basicamente algo relacionado ao que estou escrevendo aqui.

E sabem... esses benefícios, frutos desse trabalho, mesmo que invisíveis ao usuário final, tornam meu dever gratificante.

A lição que tiro disso é esta: às vezes, problemas que encontramos podem ser solucionados por nós mesmos.

É simples?
De certa forma.
Basta identificar o problema, pesquisar uma solução e executá-la.

É fácil?
Bem... isso não posso garantir.
Mas vale notar que é bom enfrentar essas situações.
Além de melhorarmos o ambiente ao nosso redor, tornamo-nos melhores após esse processo.
Todos ganham.

Estou escrevendo isso porque graças a Deus, por me dar ânimo e capacidade, e aos colegas e superiores, por me permitirem exercê-los, pude estar sendo e me sentindo útil.
Isso não tem preço.

[ Conclusão nos comentários ]
[ IG tem limite de 2.200 caracteres, pelo visto ]

#servidorpublico #serviçopúblico
Para mim nem tudo é música - pelo menos, por enquanto. Ao longo da minha vida, de forma geral, sempre tive uma percepção negativa quanto ao serviço público por parte das pessoas. Lamento por isso. Em contrapartida, alguns anos após fazer parte dele, notei uma coisa: mesmo que de forma pequena, eu agora poderia ser capaz de mudar esse fato. - Pra quem não sabe, meu trabalho principal é como programador no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, desenvolvendo o sistema de processo eletrônico chamado eproc; e como servidor público, acredito que tudo o que fazemos deve refletir em benefício à população. Ponto. Na última semana, por parte do TRF4, houve apresentações para seus próprios servidores além dos de outros órgãos colaboradores sobre novidades do sistema; e em um desses dois dias, tive a oportunidade de apresentar a mais de 60 colegas, entre desenvolvedores e gestores, a nova arquitetura que propus e implementei no sistema. Além de falar sobre as mudanças em si, que serviram para melhorar significativamente a eficiência de nosso trabalho, aproveitei para compartilhar um pouco de minha experiência e ideais - basicamente algo relacionado ao que estou escrevendo aqui. E sabem... esses benefícios, frutos desse trabalho, mesmo que invisíveis ao usuário final, tornam meu dever gratificante. A lição que tiro disso é esta: às vezes, problemas que encontramos podem ser solucionados por nós mesmos. É simples? De certa forma. Basta identificar o problema, pesquisar uma solução e executá-la. É fácil? Bem... isso não posso garantir. Mas vale notar que é bom enfrentar essas situações. Além de melhorarmos o ambiente ao nosso redor, tornamo-nos melhores após esse processo. Todos ganham. Estou escrevendo isso porque graças a Deus, por me dar ânimo e capacidade, e aos colegas e superiores, por me permitirem exercê-los, pude estar sendo e me sentindo útil. Isso não tem preço. [ Conclusão nos comentários ] [ IG tem limite de 2.200 caracteres, pelo visto ] #servidorpublico #serviçopúblico
Há poucas semanas um dos jogos que mais gosto, especialmente por sua trilha sonora, Skyrim, completou 10 anos, inaugurando assim sua edição comemorativa.

Recentemente concluí um curso de Harmonia Tonal e mais uma disciplina da pós-graduação em Trilhas Sonoras, tendo como produto esta música que chamei "From Whiterun to Riften", inspirada na trilha sonora da série Elder Scrolls.

Espero que gostem (e relaxem) !
---------------------------

[ Processo de criação ]

A principal inspiração foi a partir do estudo do espectralismo, um tipo de música que surgiu no final do século XX que utiliza o próprio som como material composicional.

A partir da análise do espectro sonoro do primeiro dó da flauta transversal, notei a presença de frequências que correspondem às seguintes notas: dó, mi, sol e si bemol.

Decidi iniciar tocando a música progressivamente, a cada sopro, cada vez mais harmônicos; dessa forma, na primeira vez, Dó e Dó; na segunda, Dó, Dó e Sol, e assim sucessivamente, terminando enfim com um frullato.

Em sequência, incorporei tonalidade à música com base nessas notas, resultando em uma tonalidade de dó maior com o sétimo grau menor.

No final, fiquei impressionado com o potencial de ambientação proporcionado por esses efeitos com a flauta após processamento e, por isso, decidi utilizá-los para introduzir e concluir a música.

---------------------------

[ Créditos ]
Vídeo original: https://www.youtube.com/watch?v=BftqTvVyjRY

Obs.: 7x1 pro IG até que eu conseguisse postar o vídeo sem que houvesse deformações :p 

#rpgmusic #fantasymusic #skyrim #skyrimmusic #flute #compositor #composition #gamemusic #ambientmusic
Há poucas semanas um dos jogos que mais gosto, especialmente por sua trilha sonora, Skyrim, completou 10 anos, inaugurando assim sua edição comemorativa. Recentemente concluí um curso de Harmonia Tonal e mais uma disciplina da pós-graduação em Trilhas Sonoras, tendo como produto esta música que chamei "From Whiterun to Riften", inspirada na trilha sonora da série Elder Scrolls. Espero que gostem (e relaxem) ! --------------------------- [ Processo de criação ] A principal inspiração foi a partir do estudo do espectralismo, um tipo de música que surgiu no final do século XX que utiliza o próprio som como material composicional. A partir da análise do espectro sonoro do primeiro dó da flauta transversal, notei a presença de frequências que correspondem às seguintes notas: dó, mi, sol e si bemol. Decidi iniciar tocando a música progressivamente, a cada sopro, cada vez mais harmônicos; dessa forma, na primeira vez, Dó e Dó; na segunda, Dó, Dó e Sol, e assim sucessivamente, terminando enfim com um frullato. Em sequência, incorporei tonalidade à música com base nessas notas, resultando em uma tonalidade de dó maior com o sétimo grau menor. No final, fiquei impressionado com o potencial de ambientação proporcionado por esses efeitos com a flauta após processamento e, por isso, decidi utilizá-los para introduzir e concluir a música. --------------------------- [ Créditos ] Vídeo original: https://www.youtube.com/watch?v=BftqTvVyjRY Obs.: 7x1 pro IG até que eu conseguisse postar o vídeo sem que houvesse deformações :p #rpgmusic #fantasymusic #skyrim #skyrimmusic #flute #compositor #composition #gamemusic #ambientmusic
🌎 New Zelda: Skyward Sword Cover! / 🇧🇷 Novo cover do Zelda: Skyward Sword!

🌎 Hello everyone! 
Recently, two things happened: 
- the HD version of Zelda: Skyward Sword was released 
- my sister gave me a melodica 

Well, I decided to bring these two things together. So I covered one of my favorite tracks from this game: Skyloft! 

This has been my favorite work so far, and it's also been the most challenging one, considering the variety of musical instruments.
I've spent several hours dissecting it, deciding the role of each instrument, practicing, recording, editing the video, etc.

Anyway, as you can see, my arsenal is growing (yay), and I wish to go even further.

I’d also like to thank my friend, @marianapitsiebiger, who joined me in this work with the cello ^^ 

I hope you enjoy this sample as much as I did doing it. Thanks!

—————————————————————

🇧🇷 
E aí, gente! Recentemente duas coisas aconteceram:
- a versão HD do Zelda: Skyward Sword foi lançada
- minha irmã me deu uma escaleta

Bem, resolvi juntar as coisas, fazendo um cover de uma das músicas que mais gosto desse jogo: Skyloft!

Essa foi a música na qual mais gostei de trabalhar até agora, além de ter sido a mais desafiadora, considerando a variedade de instrumentos. 
Investi algumas dezenas de horas "dissecando" a música e decidindo o papel de cada instrumento disponível, praticando, gravando, editando o vídeo, etc.

Como vocês podem ver, o arsenal de instrumentos está crescendo (yay!), e meu sonho é ir além! 

Agradeço também à minha amiga, @marianapitsiebiger, por ter participado com o cello ^^ 

Espero que gostem dessa amostra tanto quanto eu gostei de fazê-la :)

#zeldamusic #zelda #zeldaskywardsword #gamemusic #harpejji #flute #melodica
🌎 New Zelda: Skyward Sword Cover! / 🇧🇷 Novo cover do Zelda: Skyward Sword! 🌎 Hello everyone! Recently, two things happened: - the HD version of Zelda: Skyward Sword was released - my sister gave me a melodica Well, I decided to bring these two things together. So I covered one of my favorite tracks from this game: Skyloft! This has been my favorite work so far, and it's also been the most challenging one, considering the variety of musical instruments. I've spent several hours dissecting it, deciding the role of each instrument, practicing, recording, editing the video, etc. Anyway, as you can see, my arsenal is growing (yay), and I wish to go even further. I’d also like to thank my friend, @marianapitsiebiger, who joined me in this work with the cello ^^ I hope you enjoy this sample as much as I did doing it. Thanks! ————————————————————— 🇧🇷 E aí, gente! Recentemente duas coisas aconteceram: - a versão HD do Zelda: Skyward Sword foi lançada - minha irmã me deu uma escaleta Bem, resolvi juntar as coisas, fazendo um cover de uma das músicas que mais gosto desse jogo: Skyloft! Essa foi a música na qual mais gostei de trabalhar até agora, além de ter sido a mais desafiadora, considerando a variedade de instrumentos. Investi algumas dezenas de horas "dissecando" a música e decidindo o papel de cada instrumento disponível, praticando, gravando, editando o vídeo, etc. Como vocês podem ver, o arsenal de instrumentos está crescendo (yay!), e meu sonho é ir além! Agradeço também à minha amiga, @marianapitsiebiger, por ter participado com o cello ^^ Espero que gostem dessa amostra tanto quanto eu gostei de fazê-la :) #zeldamusic #zelda #zeldaskywardsword #gamemusic #harpejji #flute #melodica